Total de visualizações de página

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Tudo está a ser feito para repatriamento dos refugiados no Malaui

O Governo moçambicano assegurou hoje que tudo está a ser feito para o repatriamento das cerca de cinco mil pessoas no Malaui, em fuga da crise política e militar em Moçambique.

"Esses compatriotas merecem toda a nossa atenção e, por isso, o Governo de Moçambique está a criar todas as condições para que eles sejam repatriados", disse a vice-ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Nyeleti Mondlane, falando à margem do seminário sobre capacitação dos técnicos do Instituto Nacional para as Comunidades Moçambicanas no Exterior.
Na semana passada, uma comissão do Governo, chefiada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique, Oldemiro Baloi, realizou uma visita de trabalho de três dias ao Malaui, tendo visitado um campo de moçambicanos deslocados do seu país.
Além da crise política, o Governo moçambicano alia a saída de moçambicanos para Malaui com a seca que atinge alguns pontos do país.
"Nós estamos a trabalhar, há um esforço que está a ser feito para que se ultrapasse esta situação", sublinhou Nyeleti Mondlane, sem avançar mais detalhes sobre o repatriamento daqueles moçambicanos.
Nos últimos meses, Moçambique tem conhecido um agravamento da violência política, com relatos de confrontos entre o braço militar da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) e as forças de defesa e segurança, além de acusações mútuas de raptos e assassínios de militantes dos dois lados.
As forças de defesa e segurança voltaram hoje a montar escoltas obrigatórias no troço entre Save e Muxúnguè, na província de Sofala, da N1, principal estrada do país, após a ocorrência de ataques que as autoridades atribuem a homens armados da Renamo.
Apesar da disponibilidade para negociar manifestada pelo Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, o líder da Renamo diz que só dialogará depois de tomar o poder em seis províncias do norte e centro do país, onde o seu movimento reivindica vitória nas eleições gerais de 2014.
Fonte: NM


Nenhum comentário: