Total de visualizações de página

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Oposição na Guiné-Bissau ameaça "levar o povo para a rua" em protesto

Alberto Nambeia, presidente do Partido da Renovação Social (PRS), principal força da oposição na Guiné-Bissau, ameaçou hoje organizar uma manifestação se o Presidente da República e o PAIGC, partido no poder, não puserem fim à crise política no país.

"Se isto continua assim, nós vamos levar o povo para a rua, para uma manifestação contra eles", referiu num encontro com militantes em João Landim, a norte da capital, Bissau.
Nambeia receia que o conflito político entre o chefe de Estado, José Mário Vaz, e o Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) possa fazer abrandar a economia do país.
"Nós não temos a agenda do Presidente, nem do PAIGC", referiu num discurso em que chamou a atenção do chefe de Estado "para assumir as suas responsabilidades".
O líder do PRS deixou ainda um recado para quem dizia "que Kumba Ialá era fator de instabilidade na Guiné-Bissau: afinal a instabilidade continua".
Kumba Ialá foi fundador do PRS e faleceu a 04 de abril de 2014, em plena campanha para as últimas eleições gerais, em que apoiava um dos candidatos presidenciais.
O PRS tem apoiado desde 18 de janeiro um grupo de 15 deputados do PAIGC, expulsos do partido e do Parlamento e juntamente com os quais alega já ter formado uma nova maioria para derrubar o Governo do PAIGC - com moções aprovadas, à espera de promulgação do Presidente da República.
Mas José Mário Vaz preferiu promover encontros com os diferentes atores políticos, reuniões que decorrem desde há um mês, para tentar encontrar uma solução de consenso para a crise.
O PAIGC, por seu lado, acusa o PR de ter iniciado a crise e diz que a normalidade já foi reposta a 28 de janeiro com a substituição dos 15 deputados, justificando-se com a lei eleitoral guineense, o que permitiu a aprovação do programa de Governo.
No entanto, a perda de mandato do grupo continua a ser discutida nos tribunais e a comissão permanente da Assembleia Nacional Popular (ANP, Parlamento guineense) anunciou hoje o adiamento sem data da sessão plenária até que haja uma decisão judicial.
Fonte: NM


Nenhum comentário: